Arte mediúnica, conversas com os Orixás em Bruxelas

exu comunica

Arte mediúnica, comunicações com os Orixás em BruxelasImage

Este blog é dedicado aos meus Orixás que me acompanham cotidianamente em Bruxelas e me protegem nas minahs viagens pelo mundo da imaginação, me instruindo sobre as coisas que acontecem no mundo.

Sáo estranhas, fazem medo, algumas até sáo aterradoras,  terificantes. Me fizeram  perder o sono durante anos. Pouco a pouco estou compreendendo o que representam: antecipações sobre a realidade do mundo, premonições . Antes vinham sob forma de sonhos, que no dia seguinte eu   desenhava ou pintava, gora as imagens aparecem nitidamente, quase automaticamente, tipo imagens hipnagógiques da técnica do sonho acordado.

O Orixá que traz a notícia pede licença a Exu, o rei da comunicação, que pode circular entre os homens e os Orixás para chegar até Olorum, para o qual argumenta nossas demandas. Olorum é o  que nos guia e protege. Penso que meu Orixá Exu é como um…

View original post 948 more words

Arte mediúnica, conversas com os Orixás em Bruxelas

Arte mediúnica, comunicações com os Orixás em BruxelasImage

Este blog é dedicado aos meus Orixás que me acompanham cotidianamente em Bruxelas e me protegem nas minahs viagens pelo mundo da imaginação, me instruindo sobre as coisas que acontecem no mundo.

Sáo estranhas, fazem medo, algumas até sáo aterradoras,  terificantes. Me fizeram  perder o sono durante anos. Pouco a pouco estou compreendendo o que representam: antecipações sobre a realidade do mundo, premonições . Antes vinham sob forma de sonhos, que no dia seguinte eu   desenhava ou pintava, gora as imagens aparecem nitidamente, quase automaticamente, tipo imagens hipnagógiques da técnica do sonho acordado.

O Orixá que traz a notícia pede licença a Exu, o rei da comunicação, que pode circular entre os homens e os Orixás para chegar até Olorum, para o qual argumenta nossas demandas. Olorum é o  que nos guia e protege. Penso que meu Orixá Exu é como um “reporter” que circula por ai captando informações de guerra, de política, etc.Digamos que ele faz os instantâneos e eu… as  Revelo.

Durante muitos anos tentei afogar estas imagens num mar de aguas claras , usando o método Coué, meditação positiva, só que, minha vida estava cada vez mais enrascada por que eu guardava tudo isso numa gaveta.

Este mundo tem uma grande  parte de sombras, no sentido Junguiano, nós como serres humanos temos cada um que trabalhar nossas sombras interiores para poder desfrutar da luz verdadeira e se realizar inteiramente, senão estaremos sempre sujeitos a sucumbir ao mal.

O mal contamina os indivíduos se não estamos atentos às maneiras como ele se insinua nas nossas vidas. Os que se deixam levar pela maré humana e guerreira, das hienas que vive dos escombros da humanidade propagando guerrras, agressóes, estrupros cai num inferno dantesco.Sem eseprança de retorno a si-mesmo.

Retornar a si-mesmo é e individuar, sair do corriqueiro, abandonar a imagem social. Essa é a missão que me dei. Não acredito que nossa vida está inscrita nas estrelas, nem determinada por um suposto grande arquiteto do Universo. Não acredito em missões. Se missão houver, é uma criação do meu espírito que por este meio quer se realizar plenamente. Destino é o que eu assumo, e só assumo o que me convém, o que me faz bem, o que me faz evoluir e crescer na minha estima.

O desejo de não ser como todos, náo é fácil, é um caminho vida, que cada um  percorre sozinho, olhando dos lados, pra traz e pra frente.  Ir e vir no inconsciente é uma vida otda pra percorrer, bordar e costurar. O inconsciente coletivo então, não é para todos, representa uma empreitada semeada de perigos ao tempo que fascinante. Por isso peço licença aos Orixás para percorrer minha estrada que resta Só.  Cosntui minha catedral, agora quero melouvar dentro dela com prazer, felicidade e sem agonias. Invoco  a ajuda deles para os momentos dificeis. Os humanos passam, passaram, passarão  na minha vida deixando às vezes lembranças boas, outros lembraças más, outros se apagam sem deixar rastros. assim deve ser. “Eu passarinho”, como dizia o grande poeta Manoel de Barros.

Contudo, não tenho mágoas, não alimento ódios, nem raivas contra ninguém. Sigo em frente, enfrento as sombras do mundo agora, porque as minhas já enfrentei. Estou de bem colm elas, de bem com avida e acarinhando sonhos de passarinhos. Meus monstros são livres de ir e vir, não me fazem mais medo. Como dizia Picasso: temos que nos ocupar de nossos monstros senão, é eles que se ocupam de nós.

Desde que venci o medo de ouvir vozes, de sentir os Egunguns,de ver e ouvir malassombros danei a tuar e cantar e dançar com os  Orixás, os Erês, as deusas do Vaudou, os Egunguns da Africa e Américas, 

Ontem recebi a mensagem de divulgar estas artes, sair da prisão do ser e do fazer limitado. Vou  divulgar estas imagens do inconsciente num blog danado sobre o mar tenebroso do inconsceiente coletivo, começa forte levando o título do mensageiro dos Orixás, Exu Comunicações, Exu o incompreendido, o maldito, o diabolizado pela colonização que percebeu o seu poder.

Quem quizer ver, verá,

quem ousar ler, lerá, 

Quem não gostar me insultará.

Quem gostar, treansmitirá, não é mais meu problema.

Pode também que passe desapercebido, talvez provoque incompreensões. Que importa? Eu levei 40 anos para entender, agora que entendi estou incensored, minha vida começou a andar pra frente em lugar de dar pra trás. Já levei muita surra mental para acreditar no que estava vendo, ouvindo, sentindo, pensando. Sáo Tomé queria acreditar pra ver, eu queria acreditar no que estou vendo. Não sei no que vai dar, mas vou levar este blog, colocando estas obras mediúnicas e premonitórias (aparecem como sonhos, mas estou lúcida, talvez com uma leve e sorrateira transe)

. O trabalho técnico é feito através da mail art, colagem,  pintura, e palavras. Geralmente informações chegam sob forma de poema e imagens da atualidade e do passado do mundo: inquisição, escravidão, guerras mundiais, atentados . Tipo os quatrains de Nostradamus, mas as rimas podem ser sob forma de embolada, repente, cordel, etc. A fonte é inesgotável por ser a fonte da vida, nela beberei até meus últimos dias. Amém.

Os estudiosos dirão, quem sabe, que  sou maluca, doida, ousada, sei lá, afinal, por que não?  Eu sou uma sequelada da perseguição política dos anos 70 nas Américas. A morte me acompanhou durante anos, agora deixou lugar à vida. Viva a vida, do jeito que ela é. sme tirar nem pôr, é asism que eu a amo. Da tortura, da prisão, do exilio no Brasil, no Chile, na Argentina, ficou a certeza de que ganhamos a guerra, pois hoje temos no Brasil uma antiga prisioneira como presidente, mulher arretada e valente que deu um chute nos valores da matraca. Estamos de pé, cabeça erguida e contando a História do nosso jeito e náo do jeito que inventaram os assassinos etorturadores. Vejam o blog memoriasdoexilio.webnode.com) Digam o que quizerem,

estou pronta pra ouvir, ler e ver.

Tô nim mim! A Médium Maluquinha, filha de Xangô, guiada por Exu e no respeito da vida faço aqui minha reverência a Olorum que me deu saúde e beleza para amar e ser amada.

Exu que caiu numa gargalhada!

Dá licença!

Inêz OLudé

Bruxelas, 01 de setembro de 2013

dia 22 de setembro é o dia em que fui libertada da prisão argentina de Villa Devoto,eù Buenos Ayresn na qual compartilhei o infortúnio com mil e 200 companheiras. Por lá passei e fiquei 1 ano e meio observando como o ser humano ( de farda) produz o mal absoluto